Novo BMW X3 tem visual mais moderno e mantem Diesel

BMW X3

Com a promessa de mais conforto, a quarta geração do SUV bávaro traz motores de quatro e seis cilindros “mild hybrid”, além de uma opção PHEV.

A um ano da estreia do iX3, um SUV elétrico feito com base numa nova plataforma, a BMW apresentou a quarta geração do X3 que será vendido em paralelo. Esta geração do X3 é uma evolução da anterior, que deixa de parte o “i” nas versões a gasolina. Pelo meio, é abandonada versão base 4×2. O novo X3 mantem os 2865 mm de distância entre eixos e esteticamente vai buscar alguns elementos do novo X1. É no entanto ligeiramente mais comprido, mais largo e mais alto do que antes. O teto também é mais baixo, o que contribuiu para uma silhueta mais desportiva. Visualmente, destaque ainda para os novos faróis afilados e para a grelha de grandes dimensões – iluminada de série na versão de referência M50 xDrive. O modelo base recebe a grelha com um padrão composto por barras verticais e diagonais e o de topo barras horizontais.

Novidade no M50 é a inclusão de série de amortecimento adaptativo, travões M Sport, jantes M de 20 polegadas, diferencial autoblocante traseiro M Sport e quatro ponteiras de escape. O novo M50 conta com os préstimos de um motor 3.0 de seis cilindros em linha com apoio “mild hybrid” de 48V a debitar 399 cv e 580 Nm (mais 12 cv e 80 Nm que o antecessor M40i). Apesar disso, mantem a capacidade de acelerar de 0 a 100 km/h em 4,6 segundos do modelo antigo. Também o motor 2.0 de quatro cilindros em linha da versão 20 xDrive recebeu tecnologia “mild hybrid” subindo para 208 cv e 330 Nm, anunciando 0-100 km/h em 7,8 segundos. Existe ainda uma opção Diesel “mild hybrid” sob a forma do 20d xDrive com 197 cv e 400 Nm. Pelo meio há igualmente uma opção híbrida plug-in 30e xDrive com 299 cv e 400 Nm, a garantir um alcance elétrico máximo até 90 km. Além disso, o novo X3 tem uma via traseira mais larga, carroçaria mais rígida e várias alterações ao nível do chassis que prometem melhorar a precisão da direção e a estabilidade.

O interior foi também reformulado, passando a incluir um painel curvo a combinar o painel de instrumentos e o ecrã central tátil que projeta o novo sistema iDrive, mantendo o comando rotativo, sendo capaz de efetuar atualizações “over the air”, além de possibilitar o acesso a música e vídeo através de streaming, notícias, navegação por realidade aumentada, jogos, tornando o smartphone num comando. O fabricante melhorou ainda a qualidade dos materiais e aumentou a capacidade da mala em 20 litros, chegando agora aos 570 litros (460 litros no PHEV).

Deixe um comentário

*