Projeto Bloodhound salvo por investidor

Bloodhound SSC pretende bater o recorde de velocidade terrestre de 1600 km/h

O objetivo de bater o recorde de velocidade terrestre, atingindo 1600 km/h, continua de pé.

Em outubro os responsáveis do projeto Bloodhound SSC abriram um processo de falência. Apesar de ter chamado a atenção de marcas como a Jaguar e a Geely, a verdade é que o projeto que tem como objetivo bater o recorde de velocidade terrestre com uma viatura supersónica não tem conseguido reunir o capital suficiente para cobrir os custos, sendo que uma das causas apontadas para o seu fracasso foi a desvalorização da libra esterlina. No início de dezembro, a administração da empresa comunicou que não conseguiu reunir o valor necessário para continuar: 28 milhões de euros. Contudo, aquele que é conhecido como o carro que pretende romper a barreira dos 1000 mph (1600 km/h) foi salvo por um investidor, Ian Warhurst, que garantiu a continuidade do projeto, por um valor não revelado. Warhust, conhecido por gerir negócios na indústria automóvel, revelará os planos para o Bloodhoud no início do novo ano.

Recorde-se que até agora, o super-veículo foi apenas testado a 337 km/h. A África do Sul é o único local onde teoricamente estão reunidas as condições para os testes definitivos (a cerca de 800 km/h) e para a tentativa de recorde a realizar nos próximos anos. O Bloodhound conta com um motor híbrido com potência de um foguete, desenvolvido pela NAMMO, e um motor a jato Rolls-Royce EJ200.

O projeto Bloodhound SSC foi criado em 2007 por Richard Noble, homem que bateu o recorde de velocidade em 1982 com o Thrust 2 e que liderou o Thrust SSC em 1997, com o qual rompeu a barreira do som com um veículo terrestre.

Deixe uma resposta

*