“Elétricos são sobrevalorizados, o setor entrará em colapso”, diz Toyota

Akio Toyoda

Embora haja cada vez mais construtores a apostarem nos modelos 100% elétricos, o CEO da marca japonesa mostra-se cauteloso.

As normas ambientais cada vez mais restritas impostas por vontade política, sobretudo na União Europeia, têm levado a que a maioria das marcas de automóveis, com mais ou menos celeridade, estejam a enveredar por modelos totalmente elétricos. Contudo, a Toyota revela algum ceticismo sobre aquilo que considera ser um “hype” excessivo em torno dos modelos “zero emissões”. Na conferência de imprensa anual da marca, durante a qual comentou o anúncio do governo japonês que planeia suspender a comercialização de modelos com motor de combustão interna a partir de 2035, o CEO da Toyota diz que os “carros elétricos são sobrevalorizados” e que o “setor entrará em colapso”.

Akio Toyoda alega como principal constrangimento a infraestrutura necessária a nível mundial para alimentar todos os modelos elétricos. Cingindo-se ao caso japonês, disse que seria necessário investir entre 165 e 438 mil milhões de euros apenas nos postos de carregamento para abastecer um parque totalmente EV. O homem-forte do gigante japonês diz ainda que no seu país de origem a maioria da eletricidade é gerada pela queima de carvão e de gás natural, o que significa, segundo ele, que mais carros elétricos não implica necessariamente uma redução das emissões. Citado pelo Wall Street Journal, Toyoda alega ainda razões de impacto económico para justificar o seu receio nesta viragem para o 100% elétrico. Segundo ele, livrarmo-nos dos carros com motores térmicos implicará a perda de milhões de postos de trabalho, uma vez que os elétricos não requerem tanta gente para o processo produtivo. Além disso, justifica Toyoda, o custo elevado dos carros elétricos também torna o seu acesso difícil para as classes sociais menos favorecidas. Nas palavras do gestor, “o atual modelo de negócio da indústria automóvel irá colapsar”, caso o governo insista na suspensão dos modelos a combustão.

Recorde-se que, tirando na China, a Toyota ainda não lançou nenhum modelo elétrico no mercado, dando primazia aos híbridos e aos modelos a hidrogénio como soluções ideais para a redução de emissões poluentes. Contudo, apesar da visão do seu patrão, a Toyota prevê lançar pelo menos 10 elétricos nos próximos cinco anos, incluindo alguns modelos com baterias sólidas – uma tecnologia que promete aumentar a autonomia e reduzir os tempos de carga, comparativamente com a tecnologia utilizada atualmente. O primeiro carro elétrico global da Toyota será um SUV, que será desenvolvido em conjunto com a Subaru.

Deixe uma resposta

*