Jeep Cherokee Limited 2.2 TurboDiesel 195 cv 4×2 AT9

View Gallery 23 photos

Fiel à sua essência, o SUV norte-americano foi aprimorado esteticamente, beneficiou de vários upgrades tecnológicos e agora também está disponível numa versão 4×2 do motor Diesel mais potente. Mas será que oferece o melhor de dois mundos?

O que é?

Com 44 anos de história e já 4 milhões de unidades comercializadas, o Cherokee é um dos mais emblemáticos modelos da Jeep e foi agora alvo de um facelift. Posicionando-se entre o segmento C e D, o SUV de 4,62 metros de comprimento concorre com propostas como o Mazda CX-5, o Skoda Kodiaq, Honda CR-V ou o Land Rover Discovery Sport. O modelo de cinco lugares, que se posiciona na gama Jeep entre o Compass e o Grand Cherokee (de sete lugares), é reconhecido pela sua robustez, fiabilidade e capacidade fora de estrada. Atualmente na quinta geração, o SUV traz novidades em termos desenho exterior (que o aproximam da restante gama), um habitáculo mais refinado, mais equipamento e novos motores. A unidade ensaiada é precisamente a novidade 2.2 turbodiesel de 195 cv 4×2 associada a uma caixa automática de nove velocidades de origem ZF.

Para que serve?

Do lado visual, as mudanças não são substanciais, sendo a atualização com a nova frente de família a principal novidade, que torna o Cherokee mais elegante sem cortar com a tradição visual do modelo. É possível notar ainda a introdução de luzes de nevoeiro mais pequenos, arredondados e com acabamento cromado, para-choques dianteiro retocado e um novo capot em alumínio que integra uma grelha com as caraterísticas sete ranhuras da Jeep com contornos cromados. Os grupos óticos do modelo anterior foram substituídos por faróis full-LED de formato mais convencional. No perfil, destaque para as jantes redesenhadas, cavas das rodas de formato trapezoidal e bocal de combustível sem tampão. Atrás, realce para o para-choques remodelado, farolins com nova assinatura visual e para a tira em LED a envolve as luzes de travão e os “piscas”. A tampa da mala, feita em material compósito, inclui uma barra luminosa. A bagageira cresceu 70 litros face ao modelo anterior, ao ganhar espaço no piso do carro, o que lhe permite passar a oferecer 570 litros de capacidade. Rebatendo os bancos posteriores, é possível obter um piso totalmente plano e um total de 1555 litros para arrumação. A mala de piso duplo possui uma abertura eletrónica e um sistema de acesso mãos livres. Um pormenor que nos chamou a atenção foi a chapeleira em couro.

No interior, o Cherokee é dos modelos mais sóbrios da Jeep, mas é dotado de bons acabamentos e transmite uma sensação de qualidade. Entre as novidades, o SUV conta com um compartimento de arrumação maior na consola central e inúmeros elementos decorativos em preto piano ou cromado acetinado. Novidade é também a introdução da quarta geração do sistema de infotainment Uconnect, com ecrã de 8,4 polegadas na unidade ensaiada (de série no nível Limited), que passou a ser compatível com os sistemas Android Auto e Apple CarPlay, integrando também novas funções de comunicação, entretenimento e de navegação. Através do serviço Uconnect Live benéfica de músicas em streaming, notícias online e informações de trânsito em tempo real. Entre os equipamentos de segurança, destaque para os oito airbags, aviso de colisão dianteira com travagem de emergência com deteção de peões, aviso de saída de faixa, cruise control adaptativo e detetor de ângulo morto, entre outros.

O motor 2.2 turbodiesel de quatro cilindros é já conhecido do modelo anterior, mas passa a estar disponível em versões de 150 e 195 cv em vez de 185 e 200 cv, cumprindo as normas ambientais Euro6d-temp. Ensaiámos a versão de 195 cv do motor que passa a contar com um turbo de geometria variável e sistema SCR (com injeção de AdBlue), associada a uma caixa automática de nove velocidades TorqueFlite com conversor de binário, que estreia um modo manual com patilhas no volante. Este motor passa ainda pela primeira vez a contar com uma versão 4×2, a que tivemos a oportunidade de experimentar.

Porque devo comprar?

Esta versão 4×2 do Cherokee é uma opção interessante, mais em conta, para quem gosta da estética típica da Jeep e não frequenta habitualmente terrenos mais complicados. Mantem uma poderosa imagem de todo o terreno, sem perder elegância, apesar de lhe faltar uma personalidade tão vincada de modelos como o Renegade. O Cherokee é um modelo que equilibra de forma bastante eficaz uma faceta urbana e outra mais “off-road”. Se em percursos fora de estrada continua a ser muito eficaz mesmo nesta versão devido aos seus 150 mm de altura ao solo, em estrada revela muita suavidade e refinamento de rolamento. O conforto é apenas perturbado pelo ruidoso motor, sobretudo em situações de maior carga do acelerador. O nível de decibéis poderá mesmo tornar-se algo incomodativo para alguns condutores. Com mais de 1800 kg nesta versão de acesso é difícil que o Cherokee possa ser um carro ágil. Mas, apesar de se notar o adornar da carroçaria, o comportamento melhorou de uma forma geral face ao antecessor. A suspensão faz um excelente trabalho, colocando nesse capítulo o SUV norte-americano ao nível de modelos premium europeus.

Por dentro, num modelo que mistura o revivalismo e a contemporaneidade, realce sobretudo para o abundante espaço a bordo. Num habitáculo caraterizado pelos materiais suaves ao toque e com alguns elementos próximos do premium, sobressaem os bancos em couro (aquecidos e com regulação elétrica) bastante confortáveis e com bom apoio lateral. Há também muito equipamento e tecnologia à disposição. O sistema de infotainment tem uma resposta rápida mas os menus são algo confusos e a câmara traseira podia ter melhor resolução. A falha mais evidente é a dimensão reduzida das bolsas das portas, assim como do porta-luvas. Na segunda fila, onde o espaço é ideal para dois, a habitabilidade é boa em comprimento e altura. Os bancos posteriores podem ser deslocados longitudinalmente.

Em vários tipos de piso, percebe-se o contributo decisivo dos 450 Nm de binário para a dinâmica do Cherokee. Sendo que funciona de forma mais linear a ritmos mais vivos do que a velocidades mais pacatas. No fim de contas, o Cherokee é sobretudo um rolador. A caixa automática é algo lenta no funcionamento sobretudo em cidade e tem uma nona relação muito longa, de modo a favorecer os consumos. No final do nosso teste fizemos uma média simpática de 8,3 l/100 km. Se andar muito pela cidade, conte com uma média a rondar os 10 l/100 km.

Que opções tenho?

As versões 4×2 deverão representar a maior fatia das vendas, não só pelo preço mais acessível como por pagarem Classe 1 nas portagens. No caso do acesso à gama, no nível de acesso Longitude 150 cv 4×2 os preços arrancam nos 52 mil euros. Mas na de 195 cv Limited (a ensaiada) o preço começa nos 60 mil euros, ainda assim 5 mil euros mais barato que o 4×4 com a mesma potência. Se fizer muitos percursos fora de estrada recomendamos o investimento suplementar na versão de tração integral. Para que possa perceber o posicionamento do Cherokee na restante gama, adiantamos-lhe que o Compass 2.0 Diesel de 170 cv com caixa automática de nível de equipamento equivalente começa nos 46.600 euros. Se subirmos na gama, para o Grand Cherokee, o fosso de preço é ainda maior. O modelo de sete lugares equipado com motor 3.0 CRD de 250 cv e 4×4 com redutoras começa nos 91.800 euros. Em termos de concorrência, o Land Rover Discovery Sport começa nos 53.822 euros no caso do 2.0 Ingenium de quatro cilindros turbodiesel com 150 cv 4×4 automático, o Mazda CX-5 2.2 Skyactiv-D de 175 cv 4×4 automático arranca nos 48.615 cv.

O nível de equipamento Limited do Cherokee conta de série com ar condicionado bi-zona, câmara de estacionamento traseira, jantes de liga leve de 18 polegadas, luzes traseiras em LED, faróis dianteiros Full-LED com máximos automáticos, pack Touring e pack City Tech, entre outros. Os principais opcionais a destacar são a pintura Cinzento Granite Crystal (1450 euros) e o teto de abrir panorâmico (950 euros).

Há desconto?

Atualmente, o Jeep Cherokee possui uma campanha de lançamento no valor de 2.500 euros. No caso da unidade ensaiada, o preço fica por 58.800 euros.

 

Deixe uma resposta

*