Ford poderá fazer “mini” Mustang Mach-E com base VW

Ford Mustang Mach-E

Na calha poderá estar uma família de Mustang elétricos.

Primeiro, no início deste ano, foi a confirmação do acordo entre a Ford e a Volkswagen que inclui a partilha da plataforma MEB para modelos da marca norte-americana. Há um par de meses, a Ford apresentou o SUV elétrico Mustang Mach-E.

Agora, estas duas realidades convergem. Pelo menos as palavras do responsável de design da Ford na Europa à Auto Express assim o dão a entender. Segundo Murat Gueler, “a influência Mustang só foi aventada para cima da mesa depois de uma primeira versão que não estava a resultar. Assim, que o tema Mustang foi associado, o processo desenvolveu-se de uma forma muito rápida. Estamos muito entusiasmados acerca do que isso traz ao elétrico, e estamos a falar de novos modelos, em criar uma nova família de modelos”. Apesar de não ter sido específico, percebe-se que poderá estar em causa uma nova família Mustang, do qual poderá resultar um “mini” Mustang Mach-E. Em novembro a Ford e a VW ter-se-ão encontrado para discutir o tipo de adaptações que poderiam ser feitos na base MEB (a da família ID da marca de Wolfsburg). Aparentemente, um dos pontos de discórdia em relação à plataforma original é a posição do para-brisas que por não ser muito baixo não serviria os propósitos do “baby” Mach-E. É possível que seja possível adaptar a plataforma sem ser preciso uma modificação profunda, de modo a agradar aos objetivos da Ford. O responsável pela eletrificação dos modelos da Ford a nível global, Ted Cannis, diz que a marca norte-americana poderá já ter conseguido o que queria: “ter a flexibilidade suficiente é um aspeto chave, e é importante ter a diferenciação suficiente e a performance esperada de um Ford. Muito já foi conseguido na primeira fase de negociações com a VW. Dos parâmetros que vimos, podemos fazer um grande modelo da marca Ford”.

Isto significa que haverá dois Mustang Mach-E feitos a partir de bases diferentes: o maior, a lançar no final de 2020 com uma base Ford (uma adaptação da plataforma GE2 utilizada no Kuga e no Focus), e um crossover mais pequeno de base VW. Recorde-se que a base dos alemães suporta tração traseira e integral, com vários tamanhos de baterias à disposição e sendo possível criar modelos com mais de 300 cv e até 550 km de autonomia – algo apetecível para um Mustang. Seja qual for a escolha, a Ford assumiu que o seu objetivo é ter pelo menos um carro totalmente elétrico de construção de alto volume na Europa a partir de 2023. O construtor norte-americano adiantou ainda que pretende vender mais de 600 mil carros de base MEB em seis anos.

Deixe uma resposta

*