VW vai abrir seis fábricas de baterias na Europa até 2030

Protótipo de robot de carregamento da VW

De modo a reduzir radicalmente os custos com a produção de carros elétricos, o grupo alemão vai apostar numa bateria composta por uma única célula.

O grupo Volkswagen anunciou que vai inaugurar seis fábricas de baterias na Europa até 2030. Cada fábrica terá uma capacidade de produção de 40GWh, dando ao grupo VW uma capacidade de produção de baterias de 240GWh em toda a Europa. Já confirmadas estão as fábricas localizadas em Skellefteå (Suécia), que se especializará na produção de células premium já a partir de 2023, e outras duas em solo alemão, em Northvolt e em Salzgitter, destinada a construir a partir de 2025 um novo tipo de célula.

É aí que entra a outra novidade aventada pelo grupo VW, que quer apostar num novo formato de baterias composto por apenas uma célula – o que ajudará, segundo o construtor, a reduzir enormemente o custo de produção. O construtor de Wolfsburg prevê lançar comercialmente estas baterias chamadas “Unified Cell Concept” em 2023 com o projeto Artemis que está a ser desenvolvido pela Audi. Sendo que, até 2030, os alemães querem introduzir em 80% da sua gama de modelos elétricos um novo formato de baterias.

“O nosso objetivo é reduzir os custos e a complexidade das baterias, ao mesmo tempo que pretendemos aumentar o seu alcance e performance. Isso contribuirá para democratizar a mobilidade elétrica e para a tornar na tecnologia dominante”, assegura Thomas Schmall, o responsável pelo desenvolvimento de tecnologia do grupo VW. A otimização do tipo de célula, novos processos de produção e de reciclagem contribuirão para reduzir em 50% os custos com a bateria no caso dos modelos de acesso, e de 30% em modelos mais maior volume, adiantou o alemão, que acrescentou ainda que estas alterações permitirão “baixar os custos com as baterias significativamente abaixo dos 100 euros por kWh”.

“A mobilidade elétrica ganhou a corrida. É a única solução para reduzir rapidamente o volume de emissões. É um pilar fundamental na estratégia futura da Volkswagen, e o nosso objetivo é garantir a pole position através da produção de baterias”, disse o patrão do grupo alemão, Herbert Diess durante o evento “Power Day”.

Aliado a isso, a VW quer investir cerca de 200 milhões de euros no desenvolvimento da maior rede de postos de carregamentos públicos do mundo. O construtor germânico está atualmente a negociar com vários parceiros para abrir cerca de 18 mil postos de carregamento público na Europa até 2025 – cerca de um terço do total de postos, segundo estimativas da marca. Este investimento pretende implementar cerca de 8 mil “supercarregadores” a 150 kW no Velho Continente, não só em autoestradas como também no interior de cidades: cerca de 4 mil com a ajuda da BP-Aral no Reino Unido, mas também em conjunto com a Iberdrola em Espanha e com a Enel em Itália, por exemplo. A este investimento juntam-se outros tantos 200 milhões de euros para o consórcio Ionity, do qual fazem também parte a BMW, Daimler, Ford e Hyundai. A VW prevê ainda instalar 3500 postos rápidos nos EUA até ao final do ano e está a trabalhar com parceiros chineses para criar 17 mil postos rápidos naquele território até 2025.

Deixe uma resposta

*