BMW deve abandonar motores V8 e V12 no Série 7

Novo BMW Série 7

Na próxima geração, a berlina bávara poderá ter uma gama apoiada em seis cilindros e com recurso à “eletrificação”.

A renovação da sexta geração do BMW Série 7 (na imagem) será consumada apenas em abril e continuará a integrar na gama versões com motores V8 e V12, incluindo a mais potente de sempre da família, M760Li xDrive com 585 cv. Mas a partir da próxima geração (G70), que poderá chegar em 2022, a marca de Munique poderá abandonar os dois motores maiores, tal como já acontece na maioria das gamas da BMW. O motivo: as cada vez mais restritas normas de emissões. Citando fontes da marca, o BMW Blog avança que a alternativa será um “line-up” formado por motores de seis cilindros (provavelmente o atual 3.0 de seis cilindros em linha B58, atualmente ao serviço do Série 2 e Série 3) com vários níveis de potência a funcionar em conjunto com motores elétricos – em versões “full-hybrid”. Isto significa que será possível ter como híbrido Plug-in base uma versão com 560 cv, uma potência superior à do atual V8 (que na versão 750i oferecer 530 cv) e à do híbrido em comercialização, o 745e iPerformance com 394 cv.

A berlina de topo foi lançada originalmente em 1977 com motores de seis cilindros, tendo contudo marcado uma forte posição face à concorrência quando surgiu com motores V8 e V12 na segunda geração.

Deixe uma resposta

*