Nova competição com SUV elétricos de 670 cv arranca em 2022

SuperCharge Electric Race Series View Gallery 3 photos

O campeonato SuperCharge disputar-se-á na Europa, Ásia e EUA.

Uma vez que o universo da competição e dos modelos de produção está interligado, é de esperar que o aumento do número de carros elétricos nas estradas tenha reflexo no surgimento de novas competições envolvendo modelos “zero emissões”. O aumento de popularidade da Fórmula E (que até tem um campeão mundial português, António Félix da Costa) já motivou o alargamento do programa à Extreme E, que envolve SUV elétricos. Agora, está confirmada a nova SuperCharge, outra competição de SUV/crossover elétricos. Com arranque previsto para 2022, esta competição terá um calendário composto por oito provas em circuitos citadinos em zonas industriais ou parques situados em grandes cidades (três na Europa, três na região da Ásia-Pacíficos, uma nos EUA e outra no Médio-Oriente). Em cada prova de um dia de duração correrão 16 carros, dois por equipa. Cada evento será composto por até 15 corridas, cada uma com poucos minutos de duração. Os condutores serão separados em quatro grupos de quatro, sendo que cada grupo correrá três vezes. Os melhores 12 disputarão uma semi-final com seis carros cada. Os três melhores de cada confronto passarão à final. Os circuitos terão cerca de 1 km de extensão e incluirão saltos, zonas de piso escorregadio e com água. Haverá ainda uma “joker lap” a cada corrida, ao estilo rallycross.

Criada com a ajuda dos principais fabricantes de automóveis do mundo, a SuperCharge envolverá carros feitos com base numa plataforma comum, para controlar os custos. Estes modelos de tração integral com chassis tubular terão 670 cv debitados de dois motores elétricos, serão capazes de 0-100 km/h em 2,5 segundos – similar a um F1 -, terão uma bateria de 40 kWh de capacidade e não terão ajudas à condução (o que significa que tecnologia como o “launch control”, “brake-by-wire” ou controlo de tração estão proibidas). De resto, as equipas participantes poderão adaptar a carroçaria, de modo a que os carros pareçam SUV ou crossover, mexer no sistema de gestão da bateria (nomeadamente na sua geometria ou sistema de arrefecimento) e no “set-up” geral dos carros.

Por detrás desta competição está o antigo diretor comercial da equipa de Fórmula 1 da Jaguar, Rob Armstrong, o antigo membro da Sauber F1, Willy Rampf, no papel de consultor técnico, e diretor desportivo, Max Welti, que foi diretor técnico da divisão de competição do grupo VW.

Esta nova série oferecerá “benefícios técnicos e comerciais palpáveis para os fabricantes de automóveis”, dando-lhes “espaço para desenvolver, testar e aprimorar a inovações relacionadas com a tecnologia de baterias dos carros elétricos.”

Deixe uma resposta

*