VW aposta na redução da gama

Teaser da próxima geração do Volkswagen Golf

A marca estima que esta medida permitirá poupar até 3 mil milhões de euros até ao final de 2020.

A Volkswagen estabeleceu a meta de poupar até 3 mil milhões de euros até ao final de 2020, com vista a amealhar capital para investir em mobilidade elétrica e para cobrir os custos do Dieselgate. Para o efeito, o construtor de Wolfsburg tomou duas medidas importantes com vista ao cumprimento desse objetivo.

Por um lado, reduzirá o número de modelos, prescindindo ainda de variantes de equipamento e de motorizações menos procuradas. A partir do próximo ano, a VW descontinuará 25% de opções motor/caixa, o que simplificará a produção. Depois escândalo das emissões dos motores Diesel, a tendência de compra tem levado muitos clientes a afastar-se destes motores. Outro exemplo, são as versões com caixa automática conjugadas com sistemas de tração às quatro rodas, que figuram estão entre as combinações com piores resultados de vendas no continente europeu na VW. Pacotes de equipamento ou extras serão integrados noutros pacotes com maior procura ou serão simplesmente descontinuados. Na nova vaga de modelos elétricos I.D. as gamas serão muito simplificadas, ao nível de packs de equipamento e cores. O objetivo é que o cliente demore apenas 10 minutos a configurar o seu carro.

Outra medida em carteira é a de aumento de preços, de forma a aumentar as margens de lucro.

Já ontem a Volkswagen comunicara que pretende lançar o seu último motor de combustão interna em 2026. Citado pelo jornal alemão Handelsblatt, o responsável de estratégia da marca, Michael Jost, adiantou que esses motores estão disponíveis na próxima geração de modelos que será comercializada até 2040.

Entretanto, foi revelado o primeiro sketch do novo Golf, cuja oitava geração será apresentada em meados do próximo ano. O desenho publicado pela Auto Express foi mostrado durante uma reunião anual de quadros da marca alemã. O Golf VIII será ligeiramente mais comprido e mais largo face ao modelo atual, com cavas das rodas mais salientes e para-choques mais proeminentes. Por fora, as linhas caraterísticas do Golf manter-se-ão, destacando-se os faróis mais afilado. Aliás, a partir desta primeira imagem percebe-se que o formato dos faróis será semelhante ao do novo Touareg. Os primeiros carros começarão a ser produzidos em junho de 2019. O novo modelo, que só deverá chegar ao mercado nacional em 2020, contará com um interior totalmente renovado com funções de condução autónoma, maior conetividade, adotando mais soluções de segurança e assistência à condução, nomeadamente com a introdução de uma versão mais evoluída do painel de instrumentos digital. A nova geração do “best-seller” da VW será feito a partir de uma versão atualizada da plataforma MQB, que lhe permitirá reduzir até 70 kg. O novo Golf será o primeiro VW a contar com tecnologia “mild hybrid” com base num sistema elétrico de 48V que disponível nalgumas variantes de motor. A gama de motores será composta pelo novo gasolina de quatro cilindros 1.5 e pelo Diesel 1.5 TDI em substituição do 1.6. As versões desportivas GTI, R e o híbrido plug-in GTE têm continuidade assegurada. O elétrico e-Golf não chegará a esta geração por via da aposta da família I.D., segundo confirmou o responsável máximo da marca, Herbert Diess.

Deixe uma resposta

*