Australianos imaginam motos feitas por marcas de automóveis

Render de moto Aston Martin View Gallery 6 photos

A ideia foi concretizada tendo em conta a categoria dos motociclos e a identidade das marcas.

Muitas vezes a paixão por automóveis está relacionada com o fascínio por outro de tipo de veículos, nos quais se incluem motociclos. Talvez por essa razão, existam alguns construtores de carros como a Peugeot, BMW, Suzuki ou Honda que apostam simultaneamente nas duas categorias de veículos. Agora, com o objetivo de explorar esse conceito, os australianos da Budget Direct decidiram imaginar como seriam seis motociclos produzidos por algumas marcas de automóveis.

A começar pela Aston Martin, foi pensado um motociclo bem ao estilo da categoria Café Racer que se enquadra convenientemente na identidade da marca. Aproveita alguns pormenores de modelos como o DB4 e assume uma presença retro graças à presença de um para-brisas de pequenas dimensões e um formato clássico.

De seguida, foi criado um motociclo que recorre aos genes da Bentley e, como tal, foi projetado para Turismo. Recorrendo a alguns detalhes presentes nos atuais modelos do construtor britânico, oferece assentos de dimensões generosas para ambos os passageiros e capacidade de carga conveniente.

O motociclo seguinte foi projetado como sendo uma autêntica “Supermota”. Como não podia deixar de ser, a Bugatti seria responsável pelo seu desenvolvimento. Profundamente concebido com base no hipercarro “La Voiture Noire”, este motociclo corresponderia ao veículo de duas rodas mais caro e veloz do mundo.

Posteriormente, foi idealizado outro motociclo sob a forma de uma Scooter que seria produzido pela Mitsubishi. Tal como os atuais produtos na gama da marca japonesa, manifesta uma construção direcionada para a funcionalidade com um depósito de combustível avantajado e um motor eficiente.

Outra presença nesta idealização é a Tesla. Naturalmente, estando em conformidade com o resto dos seus modelos, o motociclo seria propulsionado por dois potentes motores elétricos alimentados por baterias junto ao piso. Assumiria um comportamento vincadamente desportivo auxiliado pelo baixo centro de gravidade.

Por fim, também a Rivian teria o seu papel neste universo de motociclos. A principal vocação do seu veículo de duas rodas seriam os trilhos fora de estrada, graças a uma construção simplista e sólida apoiada no modelo R1T. Equipado com dois motores elétricos, este motociclo receberia uma robusta suspensão de todo-o-terreno.

Se gosta da junção entre motas e automóveis e gostaria de saber mais acerca da convergência entre ambos, espreite as páginas da edição deste mês da autoDRIVE #38. Encontrará um artigo sobre carros com motores de moto com tudo o que precisa (e deve) saber sobre esse cruzamento de mundos.

Deixe uma resposta

*