Lancia mantem vivo o Ypsilon com novo facelift

Lancia Ypsilon View Gallery 20 photos

Citadino comercializado em exclusivo no mercado italiano ganha uma nova frente e equipamento mais moderno.

Após muito tempo de indefinição, por via do longo processo de fusão da FCA com a PSA, do qual resultou a Stellantis, a Lancia sabe finalmente o seu destino: vai ter um novo “fôlego” como emblema premium, cuja nova família de modelos será desenvolvida em articulação com as “irmãs” Alfa Romeo e DS. Mas até que os modelos desta nova vaga cheguem aos concessionários a Lancia, algo que deverá acontecer apenas em 2024, a marca transalpina manter-se-á ativa com o “velhinho” Ypsilon, disponível em exclusivo no mercado italiano desde 2014. A verdade é que o sucesso comercial no seu país de origem é um verdadeiro “case study”. Desde que foi lançada a atual geração (lançada em 2011 e cujo primeiro facelift foi introduzido em 2015) já vendeu 14 mil unidades, tendo sido mesmo o segundo carro mais vendido em Itália no ano de 2019.

Para esta nova fase da vida do citadino, há que ter em conta um novo facelift, agora apresentado. Esteticamente, o reformulado Ypsilon traz uma nova frente, com uma nova grelha do radiador com tiras verticais, nova entrada de ar no para-choques e luzes diurnas em LED. Acrescenta também a nova cor Elegant Blue e detalhes decorativos acetinadas em substituição dos cromados. No capítulo tecnológico, realce para o novo sistema de infotainment com ecrã tátil de sete polegadas, compatível com os sistemas Android Auto e Apple Carplay. No interior, o citadino beneficia de um novo filtro para limpar o ar e apontamentos com opção em dourado ou prateado, além de revestimentos em tecido com elementos decorativos, feitos a partir de materiais reciclados recolhidos do Mar Mediterrâneo, e opção em Alcantara.

O renovado Ypsilon estará disponível a partir do final de fevereiro em Itália com preços a começarem nos 9500 euros. A gama será composta pelo motor 1.2 com 69 cv bifuel a gasolina/GPL, 0.9 TwinAir de 70 cv bifuel gasolina (compatível com metanol) e 1.0 Firefly de três cilindros a gasolina “mild hybrid” 12 V de 70 cv (que promete reduzir os consumos em 13% comparativamente com o motor convencional).

Deixe uma resposta

*