Bugatti EB 110 comemora 30 anos

Bugatti EB110

Hipercarro mais rápido do seu tempo tinha chassis em fibra de carbono e quatro turbos.

A Bugatti revelou o EB 110 há 30 anos em Paris (França). Perante 2 mil convidados, a 15 de setembro (precisamente 110 anos após o nascimento do fundador Ettore Bugatti), o carro foi destapado pelo ator Alain Delon na companhia de Romano Artioli, na altura o patrão da marca, e da sua filha Renata, rodeado de 50 modelos históricos que compunham a forma de uma ferradura (o símbolo da Bugatti) em pleno Grande Arche em La Defènse. Depois disso, o carro viajou até ao Arco do Triunfo, passando pelos Campos Elísios, terminando o percurso na Praça da Concórdia.

Apesar de tecnológico, o EB 110 foi uma tentativa falhada de reanimar a Bugatti, cuja produção tinha cessado em 1952. Aliás, o projeto acabou por contribuir para a bancarrota da marca, que em 1998 viria a ser comprada pelo grupo VW. Não obstante, o EB 110 estabeleceu as fundações para a era seguinte da Bugatti. O hiperdesportivo mais rápido do seu tempo (até ser destronado pelo McLaren F1) tinha chassis em fibra de carbono (uma novidade em modelos de estrada), tração integral e quatro turbos associados a um motor V12 3.5 com 560 cv (o equivalente a 160 cv/litro) – caraterísticas que foram herdadas pelos modelos que vieram a seguir, o Veyron e o Chiron. O motor tinha tecnologia herdada dos bólides da F1 da época, com bobinas de ignição individuais e cinco válvulas por cilindro. Os quatro turbos eram capazes de gerar 1.05 bar de pressão e o “red line” do motor era aos 8400 rpm. Além disso, dispunha de lubrificação por cárter seco. A distribuição de binário era de 27:73 e as jantes de 18 polegadas em magnésio. O hipercarro de motor central tinha uma monocoque com apenas 125 kg fabricada pela companhia francesa Aerospatiale. Esse fator contribuiu decisivamente para que, dependendo da versão, fosse possível o EB 110 ter menos de 1500 kg. Anunciava 0-100 km/h em 3,2 segundos, 0-200 km/h em 14 segundos e uma velocidade máxima de 336 km/h.

O EB 110 foi desenhado por Giampaolo Benedini, assim como a “Fabbrica Blu”, situada em Campogalliano (perto de Modena, Itália), precisamente onde foi construído o hipercarro. Entre 1991 e 1995 foram construídas 134 unidades do EB 110. De acordo com a Classic Analytics, o carro vale atualmente entre 500 e 750 mil euros. A RM Sotheby’s leiloou um exemplar do Super Sport de 612 cv em 2019 por 2,03 milhões de euros.

Deixe uma resposta

*