Novo Kia Niro traz visual mais radical e interior modernizado

Kia Niro

Crossover sul-coreano chegará no próximo ano com opção híbrida, plug-in e elétrica.

A Kia apresentou a segunda geração do Niro no Seoul Mobility Show (na Coreia do Sul). O novo crossover, que estará à venda em Portugal em 2022, traz um visual totalmente novo por dentro e por fora. No exterior, o Niro beneficia de linhas “radicais” ao estilo de um 4×4, na linha do protótipo HabaNiro de 2019, nomeadamente as luzes diurnas em LED, grelha “nariz de tigre” atualizada e o formato do pilar traseiro (similar ao do “irmão” Hyundai Bayon), que permite melhor performance aerodinâmica. No caso do Niro HEV destaque para as jantes de dois tons em forma de Y, também similares às do “show car”, assim como os farolins estilo boomerang. Em relação a esse concept foram incluídos puxadores das portas convencionais e portas normais, em vez de terem abertura em tesoura.

O interior foi totalmente reformatado, passando a ter um aspeto mais “upmarket”, ao estilo do novo Sportage. Foi adotada uma solução de dois ecrãs lado a lado, com o sistema de infotainment ao centro a ser coadjuvado por comandos específicos para a climatização e outras funções, de modo a evitar a necessidade de navegar entre menus. Numa consola central assimétrica, o punho da caixa foi substituído por um comando rotativo, que surge acompanhado por botões para os bancos ventilados e aquecidos, volante aquecido, “auto hold” e estacionamento elétrico. A Kia diz que o forro do tejadilho é feito de papel de parede reciclado e os bancos têm fibras extraídas de folha de eucalipto. Os painéis das portas são pintados com uma tinta de água isenta de químicos.

A marca sul-coreana ainda não revelou as especificações do novo Niro, mas sabe-se que voltará a ter versões híbridas, híbrida plug-in e elétrica. O novo e-Niro manterá uma versão com um motor e tração dianteira embora seja esperada apenas a versão com bateria maior de 64 kWh. Já o novo plug-in utiliza informação oriunda da navegação mais mudar entre o motor a combustão e o elétrico (por exemplo, perto de uma escola), devendo manter o motor 1.6 a gasolina, embora numa versão menos potente que no Sportage PHEV.

Deixe uma resposta

*