Novo Suzuki Cappuccino poderá ter “irmão” da Toyota

Render digital do Suzuki Cappuccino - autoria da Best Car

Em causa está ainda um terceiro carro para substituir o Daihatsu Copen.

Em breve, o Mazda MX-5 poderá ganhar um trio de concorrentes vindos do país de sol nascente. Segundo a Best Car, a Suzuki está a desenvolver um novo Cappuccino – um pequeno descapotável que foi descontinuado na década de 1990 – em conjunto com a Toyota e a Daihatsu. O Cappuccino original, em produção entre 1991 e 1998, contava com um motor 0.66 de três cilindros turbo a gasolina a debitar 63 cv no eixo traseiro através de uma caixa manual de cinco velocidades ou automática de três relações. Já este novo Cappuccino, com lançamento previsto para 2027, deverá ter cerca de 4000 mm de comprimento, 1700 mm de largura, 1230 mm de altura e 2480 mm de distância entre eixos.

Ao regresso do Cappuccino (nas imagens, renders digitais da Best Car) junta-se o objetivo de a Toyota retomar o projeto do coupé S-FR, cujo concept foi mostrado originalmente 2015. Além disso, a Daihatsu pretende produzir uma nova geração do Copen, para suceder ao modelo que esteve apenas três anos à venda no Japão e que contava com um motor 0.66 de quatro cilindros turbo de 68 cv e 100 Nm – de modo a cumprir com as regressas do kei-car no seu país de origem. Um concept do novo Copen, com tração traseira, foi mostrado em outubro passado no Salão de Tóquio.

Existe alguma substância para esta notícia vinda do Japão uma vez que a Toyota detém uma participação de 5% na Suzuki – existindo uma colaboração entre ambas as marcas em diversos modelos comercializados nalguns mercados. Além disso, a Toyota conta com a Daihatsu para produzir carros de pequenas dimensões. Ao que tudo indica, este trio de dois lugares e com tração às rodas traseiras contaria com os préstimos de um novo motor 1.3 de três cilindros turbo a gasolina – desenvolvido a partir do 1.6 de três cilindros disponível no GR Yaris e no GR Corolla. Estima-se que este trio debitaria cerca de 150 cv, tendo como foco um peso o mais reduzido possível – na ordem dos 1100 kg -, de modo a maximizar a performance e o prazer de condução. O motor deverá ter opção de caixa manual de seis velocidades e automática de oito relações.

O referido bloco 1.3 deverá estrear no GR Starlet, um projeto de paixão do responsável máximo da Toyota Gazoo Racing, Tomoya Takahashi – que foi dono de vários Starlet entre as décadas de 1980 e 1990. A Toyota quer o novo Starlet a correr na classe Rally4 juntamente com o Renault Clio e o Ford Fiesta.

Deixe um comentário

*