BMW garante motores a combustão por mais 30 anos

BMW M760i

Apesar disso, motores Diesel de três cilindros e quad-turbo e o gasolina V12 têm os dias contados.

A BMW promete uma ofensiva de carros elétricos para os próximos anos, começando já no final deste ano com o iX3. Contudo, segundo o responsável de pesquisa e desenvolvimento do emblema bávaro, isso não invalida que os motores tradicionais a combustão sejam postos de parte. Em entrevista à Automotive News Europe, Klaus Froehlich garantiu que os blocos de quatro e seis cilindros turbodiesel têm continuidade assegurada pelo menos por vinte anos. Já os gasolina estarão disponíveis pelo menos por mais trinta anos.

Apesar deste “balão de oxigénio”, o alemão revelou que há motores que ficarão pelo caminho mais cedo, devido às normas de emissões de CO2 cada vez mais apertadas sobretudo na Europa. O V12, disponível entre outros no M760i xDrive (na imagem), será uma das primeiras “vítimas”. Além de ser necessário um investimento considerável em tecnologia de modo a manter este motor o mais “limpo” possível em termos de emissões, Froehlich justifica que as “escassas dezenas de unidades por ano” que a BMW produz deste motor o tornam pouco rentável. Como tal, a probabilidade de haver um V12 depois de 2023 é diminuta. O “homem forte” da R&D da marca de Munique diz também que será difícil a continuidade do V8 4.4 biturbo, agora que já existe na gama um seis cilindros “eletrificado” com 600 cv.

Entre os Diesel, Froehlich adiantou que quer o três cilindros 1.5 turbo e o quad-turbo. Este último, um seis cilindros 3.0 presente nos modelos M550d e M50d, desaparecerá no verão numa altura que coincidirá com a introdução do facelift do Série 5. Nos meses seguintes, será descontinuada a versão M50d no X5, X6 e X7.

A diversidade de regulamentação em vários pontos do globo está a obrigar os construtores a otimizar a sua oferta. Por exemplo, a BMW necessita de atualizar os seus motores todos os anos para o mercado chinês.

Froehlich adiantou que a atualização da plataforma modular CLAR em 2021 permitirá que os híbridos plug-in tenham uma autonomia elétrica até 120 km. O responsável da BMW confirmou ainda que o novo i4 será basicamente uma versão elétrica do Série 3 com base na arquitetura CLAR. Por fim, ficou a garantia que provavelmente já no próximo ano arrancará a produção de modelos com pilha de combustível com um X6 e um X7.

Deixe uma resposta

*