Safety car da Fórmula E antecipa Mini JCW elétrico

Mini Pacesetter View Gallery 14 photos

Mini Electric Pacesetter acrescenta mais potência, suspensão de tipo “coilover” e travões do JCW GP3.

A Mini apresentou o Electric Pacesetter como novo safety car da temporada de 2021 da Fórmula E. Este exemplar único exclusivo para pista desenvolvido a partir de uma colaboração entre a Mini Design, a BMW Motorsport, a FIA e a Fórmula E é assumidamente pela marca como sendo “inspirado pela JCW”, o que dá a entender que deverá abrir caminho para uma versão de produção mais “espigada” do 100% elétrico Mini Cooper SE.

Visualmente, há alusões aos Mini clássicos, visíveis em elementos como os faróis circulares ou a grelha de formato hexagonal. Destaque também para as jantes forjadas de 18 polegadas com pneus Michelin Pilot Sport 245/40 (os mesmos utilizados nos Fórmula E), uma suspensão de tipo “coilover” com três níveis de ajuste, pinças de travão de quatro êmbolos (iguais às do JCW GP), para as vias 10 mm mais largas e um centro de gravidade mais baixo. Tratando-se de um safety car não podiam faltar os pirilampos integrados spoiler traseiro feitos em fibra de carbono reciclada impressa em 3D. Este “one off” vem pintado numa cor prateada mate complementada por um gradiente entre laranja e vermelho. O Pacesetter vem equipado com um novo kit aerodinâmico específico que possibilita o aumento da “downforce” e o aproxima mais da versão mais musculada John Cooper Works, com aventais e arcos das rodas redesenhados, com um difusor e spoiler traseiro duplo. O modelo elétrico pesa 1230 kg, menos 130 kg do que o Cooper SE. O motor debita os mesmos 135 kW/184 cv que o modelo de estrada, embora o binário tenha subido de 270 para 280 Nm. As alterações operadas permitem que o Pacesetter anuncie 0-100 km/h em 6,7 segundos (menos, 0,6 seg. do que o Cooper SE) e de ir de 80 a 120 km/h em 4,3 segundos (menos 0,3 seg.). A bateria é a mesma de 32,6 kWh de capacidade do Cooper SE, embora a Mini não diga qual é a sua autonomia.

O interior do Pacesetter é o mais “despido” possível. Além de ter apenas bancos à frente, tem vários elementos em laranja, uma bacquet para o condutor feita a partir de uma estrutura em espuma impressa em 3D e com um cinto de segurança de seis apoios, um volante com amortecedor, painel de instrumentos digital e um arco de segurança. Na consola central em carbono há botões específicos para acionar as luzes. Os painéis das portas também são em fibra de carbono.

O Mini Electric Pacesetter fará a sua estreia a 10 de abril na terceira jornada da Fórmula E em Roma. Ao volante estará, como tem sido hábito no safety car da Fórmula E e do WTCC, o português Bruno Correia.

Deixe uma resposta

*