Gordon Murray promete melhor V12 de sempre

Motor V12 do T.50 View Gallery 4 photos

Motor de origem Cosworth do futuro hipercarro T.50 foi ao banco de potência pela primeira vez, confirmando um “redline” de 12.100 rpm.

A Gordon Murray Automotive (GMA) confirmou as especificações do motor V12 de origem Cosworth e da caixa manual Xtrac do próximo hipercarro T.50 (um sucessor espiritual do McLaren F1) – que fará a sua estreia oficial a 4 de agosto.

O referido conjunto, daquele que já é descrito pelos seus criadores como o melhor V12 de estrada alguma vez produzido, promete não só ser potente e visceral, como pretende estabelecer um novo padrão em termos de leveza do conjunto, capacidade de resposta e caráter. O motor do hipercarro de apenas 980 kg, que agora iniciou os testes no seu formato final no banco de potência da Cosworth Engineering em Northampton (no Reino Unido), é um doze cilindros 3.9 cuja tecnologia é inspirada no motor do McLaren F1 (o BMW S70/2), o motor do McLaren MP4/6 F1 de competição (o Honda RA121E) e a mais recente inovação introduzida por Murray, uma ventoinha elétrica de 400 mm de diâmetro. Este que será o motor V12 atmosférico mais leve de sempre tem um bloco feito em alumínio de alta resistência e uma cambota em aço que pesa apenas 13 kg, além de bielas, válvulas e cobertura da embraiagem em titânio. Ao todo, este motor de colocação central e cárter seco pesa apenas 178 kg e tem apenas 41 cm. Contudo, este bloco com 166 cv/l anuncia ser capaz de ser três mais rápido face ao V12 do F1: a GMA anuncia um “redline” às 12.100 rpm (em apenas 0,3 segundos!), um pico de 663 cv às 11.500 rpm e um binário máximo de 466 Nm às 9000 rpm. Contudo, 71% do binário, 330 Nm, está disponível às 2500 rpm. A juntar a isso, este novo motor conta com um sistema “mild hybrid” de 48V para assistir nas acelerações a baixos regimes (além de ser uma solução 21 kg mais leve face a um alternador convencional).

O V12 surge acoplado a uma caixa manual de seis velocidades com padrão em H e de colocação transversal especificamente concebida para o T.50. Esta caixa produzida pela Xtrac pesa apenas 80 kg, surge revestida em alumínio com apenas 2,4 mm de espessura e conta com um punho curto com as cinco primeiras relações mais próximas e a sexta mais longa, a utilizar preferencialmente em autoestrada.

A entrada de ar frio colocada logo atrás da cabeça do condutor projeta um “ronronar” a baixa rotação que se intensifica até se tornar num “grito” a alta rotação. O revestimento em carbono do sistema de admissão é espessura variada de modo a amplificar o som. Gordon Murray não faz a coisa por menos e diz que o T.50 terá o melhor som de sempre de um motor V12.

Deixe uma resposta

*