Cupra vai ser marca 100% elétrica

Cupra el-Born

Além disso, a fábrica de Martorell vai dedicar-se a construir em exclusivo os modelos “zero emissões” mais pequenos do grupo VW.

A Cupra acaba de celebrar três anos de existência, mas o grupo Volkswagen tem planos ambiciosos para o jovem emblema desportivo associado à Seat. Após uma visita a Espanha, o CEO do grupo alemão, Herbert Diess, disse no LinkedIn que a Cupra vai ser uma marca totalmente elétrica e com um posicionamento global já nos próximos anos, sendo especialmente apontada a um público mais jovem.

Apesar de ter acabado de apresentar o Formentor, que está disponível com versões a gasolina, Diesel e híbrida plug-in, o futuro da marca Cupra e a fábrica de Martorell passa por modelos elétricos. Ainda este ano está previsto o lançamento do Born (na imagem) – inicialmente previsto para a Seat, recorde-se -, um “irmão” do VW ID.3. Para o início de 2022, está agendado o SUV de formato coupé Cupra Tavascan, uma espécie de “parente” do VW ID.4. Já o Formentor só deverá passar a ser elétrico na segunda geração. Ficou definido que Martorell produzirá os carros elétricos mais pequenos do grupo VW, com base na plataforma MEB-Lite. Das instalações catalãs sairão modelos como o ID.1 e o ID.2 (provável sucessor do Polo), tal como os seus equivalentes da Seat, Skoda e, especula-se, da Audi. Neste no ciclo será provavelmente utilizada tecnologia oriunda da JAC Motors – que a partir de 2023 começarão a produzir com a VW modelos de base MEB em solo chinês.

Apesar da posição oficial do grupo alemão defender que a Cupra e Seat possuem um papel estratégico importante, as recentes palavras de Diess, um forte defensor da eletrificação, em relação à Cupra levantam, contudo, alguma incerteza em relação à posição da Seat no grupo VW – uma vez que atualmente dispõe de apenas um modelo “zero emissões” no seu catálogo, o Mii Electric, e não tem nenhuma proposta 100% elétrica à vista. Resta saber se Diess estará disposto a manter dois emblemas como acesso à gama do grupo: Seat e Skoda.

Deixe uma resposta

*