Xiaomi quer comprar a Saab e produzir carros elétricos

Saab 9-3

Fabricante chinês de dispositivos móveis ficará com a fábrica de Trollhättan, na Suécia.

A Saab entrou em bancarrota em 2011, com os chineses da NEVS a comprarem grande parte dos seus bens, incluindo a histórica fábrica da marca sueca em Trollhättan. Apesar disso, os planos de retomar a produção e converter a Saab numa marca dedicada a carros elétricos nunca se chegou a concretizar. Segundo a Reuters, a imobiliária Evergrande Group, que vive uma crise financeira, está interessada em vender a NEVS (que tinha sido comprada na totalidade em 2020) e a Xiaomi, um dos três maiores fabricantes de dispositivos móveis a nível global, juntamente com um fundo de investimento apoiado pelo estado de Shenzhen, são os principais interessados.

A Xiaomi, que já em março tinha sido notícia por estar em conversações com os seus compatriotas da Great Wall, quer diversificar as suas fontes de receita e vê aqui nos bens da Saab que estavam na posse da NEVS numa oportunidade de avançar para a sua marca de carros elétricos. Mesmo que este negócio se concretize não é certo que possamos novamente modelos da Saab na estrada, uma vez que a estrutura ligada aos automóveis da Evergrande é relativamente complexa, pois tem várias empresas, incluindo ações na Faraday Future e o fabricante de baterias CENAT, sem esquecer investimentos no fabricante de hipercarros Koenigsegg e numa nova marca de carros elétricos chamada Hengchi. Segundo o CEO, o Evergrande Group queria ser o maior construtor de carros elétricos do mundo.

Em 2017, a NEVS tentou retomar a produção do Saab 9-3, agora como carro elétrico. E em 2019 tentou novamente, sem sucesso, o mesmo projeto numa fábrica em Tianjin, na China. Atualmente, a NEVS está a ajudar a Koenigsegg a chegar a outros segmentos de mercado e, além disso, em 2022 irá ajudar a start-up alemã Sono Motors a produzir o Sion em Trollhättan. A própria NEVS revelou no ano passado o concept Sango, um “shuttle” totalmente autónomo movido a energia solar, que prevê vir a produzir na sua fábrica na Suécia.

Deixe uma resposta

*