Mégane RS Trophy-R em testes para recuperar recorde

Renault Mégane RS Trophy R em testes no "Inferno Verde"

A versão ainda mais extrema do desportivo da Renault quer ser o modelo de tração dianteira mais rápido no circuito de Nürburgring.

A Renault está neste momento a preparar um Mégane RS Trophy-R, para recuperar o recorde da volta mais rápida ao circuito de Nürburgring-Nordschleife, na Alemanha, para modelos de série com tração dianteira – desde o verão passado na posse do Honda Civic Type R (cifrado nos 7 minutos e 43,8 segundos). Para o efeito, os homens da Renaultsport já estão a testar o modelo na própria pista, conhecida como “Inferno Verde”, tal como a imagem documenta.

A versão ainda mais extrema do Mégane RS Trophy que acaba de ser lançada terá assim um “irmão” ainda mais audacioso mais perto do final do ano, provavelmente como edição limitada. Apesar de ainda parcialmente camuflado nota-se que o Trophy-R surge com decorações em vermelho no para-choques e na asa ao estilo do Mégane RS 275 Trophy-R da geração anterior. Um detalhe diferente face ao RS normal é a ausência das luzes LED no para-choques, que (juntamente com o capot ventilado) abrem espaço para entradas de ar adicionais para o motor 1.8 turbo de quatro cilindros. O Trophy tem 300 cv mas ainda não está confirmado qual será o débito de potência do Trophy-R, mas especula-se que poderá chegar aos 320 cv.

O modelo mais focado para pista tem jantes específicas (no caso, pretas de nove raios) e discos de travão dianteiros perfurados. À frente as pinças de travão são prateadas e atrás vermelhas. A camuflagem esconde ainda aquilo que deverá ser um difusor traseiro maior e ponteiras de escape com novo formato, assim como cavas das rodas traseiras mais pronunciadas. De modo a alcançar os seus intentos, o novo modelo será substancialmente mais leve, tendo sido preteridos os bancos traseiros, apesar de manter o formato de cinco portas.  O mais inesperado, contudo, poderá ser a saída de cena do sistema de quatro rodas direcionais 4Control. O peso que acrescenta poderá levar os engenheiros franceses a prescindir dele, apesar do benefício em curvas mais apertadas.

Deixe uma resposta

*