Renault prepara “adeus” aos motores Diesel

Renault Blue dCi

Até 2025, as motorizações a gasóleo serão gradualmente substituídas por novas opções híbridas e elétricas.

Há duas semanas, a Renault anunciou que vai retirar de todos os motores Diesel de todas as suas gamas no Reino Unido, com exceção do Mégane. O processo começou já com o motor 1.5 dCi no Kadjar e seguir-se-á ainda este ano para o Captur e para o Clio (dupla que, entretanto, já possui alternativas híbridas nas suas gamas). Esta medida poderá alargar-se a outros mercados muito em breve.

A marca francesa investiu fortemente para que este motor pudesse cumprir com as normas de CO2 atualmente vigentes, em particular na redução do volume de partículas de NOx emitidas. Mas, à imagem do que outros construtores têm vindo a fazer, a Renault vai cortar gradualmente com as versões a gasóleo do seu portefólio. Gilles Le Borgne, o responsável de desenvolvimento da marca, disse à Auto Infos que o desenvolvimento de motores Diesel será interrompido. Segundo ele, a prioridade será concentrar os esforços em motorizações mais eficientes e mais rentáveis. Borgne refere-se em concreto numa aposta em modelos elétricos e híbridos para compensar o “adeus” definitivo ao Diesel que deverá acontecer em 2025. Assim, numa altura em que cada vez mais cidades anunciam que pretendem impedir a circulação de modelos a combustão nos próximos anos, a gama de motores dCi será substituída pelos e-Tech, selo recentemente introduzido, que inclui versões “mild hybrid” e híbridas plug-in, mas também no reforço na oferta 100% elétrica que tem atualmente como foco principal o Zoe. Devido às cada vez mais apertadas normas de emissões de CO2 na Europa, mesmo os motores a gasolina terão de ser sujeitos a alguma forma de “eletrificação” para que estejam dentro dos parâmetros exigidos.

A Renault justifica esta nova política com dados de um estudo, que diz que oito em cada dez europeus está preparado para a eletromobilidade e que gostariam de ter mais infraestruturas de carregamento e mais modelos “eletrificados” à disposição. Os resultados deste estudo, que auscultou a opinião de 5 mil pessoas, dizem ainda que jovens abaixo dos 34 anos são os mais recetivos para os carros elétricos.

Recorde-se que a Renault anunciou recentemente um plano de reestruturação financeira envolvendo uma injeção de capital do estado francês de cerca de 5 mil milhões de euros.

Deixe uma resposta

*