ACAP lamenta falta de apoio ao setor automóvel

Parque automóvel nacional tem uma média de 13 anos de idade

A associação teme o fim dos incentivos fiscais aos veículos híbridos e a ausência de um plano de incentivo ao abate no Orçamento do Estado 2021.

A Associação Automóvel de Portugal (ACAP) alertou para o facto de o setor automóvel empregar 152 mil trabalhadores e as exportações representarem 8,8 mil milhões de euros (15% das exportações nacionais), sendo o produto mais exportado em Portugal. Além disso, o setor representa cerca de 21% das receitas fiscais totais do Estado e tem um peso de 8% no PIB nacional. Mas, apesar disso, a ACAP lamenta a falta de apoios por parte do Governo previstos no Orçamento do Estado para 2021 – que foi hoje aprovado na Assembleia da República apenas com os votos a favor do PS. Esse facto torna-se ainda mais gravoso quando, na leitura da associação, o setor, “além de bastante descapitalizado, registou, nos últimos 10 meses, quebras superiores a 35%”.

A ausência do incentivo ao abate de veículos em fim de vida é um dos principais problemas levantados pela associação, uma vez que mais de sete em cada dez automóveis ligeiros em Portugal têm uma idade média de 13 anos (dois anos acima da média da União Europeia).

Em comunicado, a ACAP considera ainda “extremamente grave” o facto de o Parlamento ter aprovado o fim dos incentivos fiscais aos veículos híbridos, proposto pelo PSD. Para a ACAP, esta medida “vai contra tudo o que vem sendo a política de descarbonização na União Europeia e compromete as metas de redução a que o sector está obrigado”.

Segundo números apresentados pela associação automóvel, nos primeiros dez meses do ano, a produção de veículos ligeiros de passageiros em Portugal caiu cerca de 37%, tendo sido o segundo país europeu mais afetado neste indicador, apenas suplantado pela Croácia.

Em conferência de imprensa, a ACAP queixa do facto de o Governo ter tomado medidas sem ter consultados os especialistas no setor. A associação teme que sem incentivos se registe uma redução drástica nas vendas e que o aumento dos impostos leve à subida do preço final das viaturas.

Deixe uma resposta

*