Milionário da F1 quer comprar Aston Martin

Aston Martin DBS Superleggera

Lawrence Stroll, um dos donos da equipa Racing Point, poderá criar um consórcio com vista a tornar-se o acionista maioritário da marca britânica.

O Lawrence Stroll, um dos donos da equipa de Fórmula 1 Racing Point onde corre o seu filho Lance Stroll (Jnr.), poderá estar interessado em assumir os destinos da Aston Martin. Segundo a Automotive News, o milionário canadiano está a estudar esta possibilidade há cerca de um ano e a desvalorização das ações do emblema de Gaydon poderá ser o passo que faltava para Stroll criar um consórcio de modo a tornar-se acionista maioritário. Desde que a OPA à Aston Martin foi anunciada, em outubro de 2018, que as ações caíram cerca de 76%. De acordo com o Handelsblatt, atualmente cerca de 36% das ações da Aston Martin são negociadas livremente, sendo que o restante é controlado por investidores. A marca britânica registou perdas financeiras significativas dos últimos seis meses, com uma quebra do volume de negócios de 4%, apesar do aumento das vendas em 6% para um total de 2442 unidades. O prejuízo acresceu para 69 milhões de euros – sendo que no período homólogo do ano passado a Aston Martin registava um lucro de 14 milhões de euros. Além do Brexit, um dos maiores constrangimentos para a marca foi o cancelamento do negócio com os chineses da Detroit Electric, que estavam a negociar a compra da fábrica e as patentes de design do antigo Vanquish em troca de 22 milhões de euros. Entretanto, a notícia da possível compra da Aston Martin pela mão de Stroll já resultou numa valorização de 17% das ações.

Desde que comprou a insolvente Force India F1 no ano passado Stroll tem vindo a investir na equipa e pretende inclusivamente aumentar a fábrica, localizada perto do circuito de Silverstone, já no próximo ano. O objetivo de Stroll é fazer da Racing Point a equipa de fábrica da Aston Martin. Atualmente, a Racing Point recorre a motores fornecidos pela Mercedes-AMG F1. O único obstáculo a esta potencial aquisição é atual acordo entre a Aston Martin e Red Bull Racing – cuja colaboração redundou no hipercarro Valkyrie, projeto com design assinado por Adrian Newey. Stroll fez fortuna sobretudo no mundo da moda, com as marcas Ralph Lauren e Tommy Hilfiger.

Recorde-se que a Aston Martin já correu na Fórmula 1 nas temporadas de 1959 e 1960, tendo, no entanto, disputado apenas cinco corridas. Carroll Shelby foi um dos pilotos que correu na estreia do DBR4 em 1959, tendo desistido devido a problemas mecânicos.

Deixe uma resposta

*