Supercarro a hidrogénio estreará em agosto

Hyperion XP-1 View Gallery 3 photos

Feito na Califórnia, o Hyperion XP-1 contará com um sistema propulsor com tecnologia da Nasa.

A start-up norte-americana Hyperion foi fundada em 2011 por Angelo Kafantaris, mas o projeto do desenvolvimento do supercarro XP-1 só arrancou em 2016. O modelo a hidrogénio chegou a ter estreia prevista para o Salão de Nova Iorque para abril deste ano, mas o cancelamento do evento devido à pandemia do coronavírus empurrou a revelação oficial para agosto – num evento online.

Segundo a marca sediada em Orange (Califórnia), o XP-1 contará com um sistema propulsor elétrico de alta performance alimentado a hidrogénio que recorre a tecnologia originalmente desenvolvido para ser utilizado em projetos aeroespaciais da Nasa. Pela descrição, é possível que este sistema de um carro elétrico com um extensor de autonomia sob a forma de uma pilha de combustível alimentada a hidrogénio. Este sistema promete ser uma alternativa mais ecológica a supercarros a gasolina e Diesel, mas também mais prática de utilizar do que modelos “zero emissões” como o Lotus Evija ou o Rimac C_Two, tirando das costas do proprietário a preocupação com os tempos de carregamento e com a autonomia.

As imagens teaser mostram que o XP-1 tem uma silhueta coupé e uma traseira arredondada similar à do Bugatti Veyron. Por agora, sabe-se que o supercarro a hidrogénio terá uma produção limitada.

A par do projeto deste supercarro, a Hyperion criou uma divisão, a Hyperion Energy, com vista a criar uma rede de postos de abastecimento de hidrogénio em solo norte-americano. No vídeo é possível ver uma instalação de painéis de solares que dá a entender que a start-up pretende utilizar energia solar para extrair o hidrogénio da água. Atualmente com cerca de 200 colaboradores, a Hyperion também está envolvida na indústria aeroespacial, segundo o site da empresa. De acordo com a Green Car Reports, o financiamento dos projetos da Hyperion é proveniente de empresas de capital de risco, capital privado, fundos de investimento, entre outros.

Deixe uma resposta

*